terça-feira, 26 de setembro de 2017

Um anjo na terra


São cinco horas da madrugada.
Não choveu, e no entanto paira no ar uma forte fragrância a terra molhada, como se após uma noite de chuva.
Uma mistura de odores que se diriam enigmáticos, nesta madrugada em que não consigo conciliar o meu sono.
Despertou-me este cheiro de terra molhada com uma mistura de maresia, uma misteriosa cadência de sons e murmúrios,
Vejo um castelo de pedra negra e cinzenta, e um guerreiro muito ao longe com uma cruz azul cravejada de diamantes ao peito, e a mesma cruz bordada na manga esquerda do seu traje. Tem no dedo anelar esquerdo, um anel com um brasão simbolizando um rio de água e um sol resplandecente.
Fecho os olhos e procuro alucinada as minhas asas. Tenho de me transformar em anjo. Tenho de prolongar este momento, e poder voar nas asas da minha imaginação. Quero aspirar o cheiro da terra molhada, e suspensa no tempo, rever a minha longínqua Escócia e o regresso do meu guerreiro de mais uma das suas conquistas.
Que estranho! É tudo tão irreal e tão efémero que se desvanece na minha memória, e não lhe consigo ver o rosto. Não sei se sonhei, se aconteceu mesmo ou se tudo é fruto de mais uma fantasia, e divagação.
São cinco horas da madrugada.
Levanto-me e vou à varanda. Está tudo tão calmo e sereno. As águas da baía repousam pachorrentas e o sol teima já em espalhar os seus raios sobre a cidade.
Olho e não vejo castelo nenhum, nem guerreiro, nem anel com brasão.
O ar está sem cheiro.
É só mais um dia a nascer.
Olho a mesa da entrada.
Que estranho!
Está lá um fio de prata com uma cruz azul cravejada de diamantes... que eu não conheço.
Nunca soube como lá apareceu, mas ainda hoje a trago ao peito...

 © Piedade Araújo Sol  2004-08-01
(reedição)

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Um dia que não vem no calendário

Saul Landell
Cheguei numa manhã sem madrugada
num dia que não vem no calendário
e vivi uma vida desvairada
com música amor e sol
dormi em esteiras duras
à luz do luar e passeei nua
por bosques por desbravar
nadei em rios frios
com os peixes a me acompanhar
bebi água em nascentes virgens
e suguei o suco de cocos ovais
comi frutos exóticos
de árvores verdes
amargos e doces
fáceis de mastigar
falei com as aves
até elas me entenderem
e levarem meus recados
ao mundo artificial
dancei ao sabor da aragem
me enlaçando ternamente
e fui criança mulher
ninfa desconhecida
num mundo por descobrir
aspirei o perfume de flores
verdes, azuis e amarelas
e cores por decifrar
e julguei-me ser uma delas
percorri montanhas e vales
montada numa gaivota e vi
que existia sementes por germinar
mas a chuva caiu suavemente
ao fim dum dia sem noite
porque as noites não são possíveis
num dia que não vem na calendário

© Piedade Araújo Sol Jan/2005
Nota: Reedito este poema escrito há muito tempo, mas mesmo com as suas falhas, não lhe quis mexer, para preservar a sua autenticidade.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Fantasias

 saul landell

Um dia apareceu na praça uma estátua,
e, nunca ninguém soube como ali surgiu.

Algum tempo depois,
os velhos da praia juraram,
que em noites de temporal,
assomavam em seus olhos de pedra , lágrimas,
e que era um aviso para não saírem para o mar.

Talvez nem existam lágrimas,
nem estátua,
nem fantasmas para me,
turvar o colorido do tempo,
e o cheiro a maresia que me traz o vento.

Caminho, sem me questionar
o tempo, ou o chilrear dos pássaros,
apenas caminho,
ao sabor dos passos que me levam,
na sonoridade do dia e do momento.

©Piedade Araújo Sol 2017-09-12

terça-feira, 5 de setembro de 2017

pensamentos

Escha Van Den Bogerd

penso muitas vezes na impossibilidade que se torna possível,
e vezes _____outras no possível que se torna impossível.

um misto de pensamento  contraproducente,
ou apenas a necessidade da contrariedade,
para não deixar morrer,
uma partícula de um pensamento,
que antecede a disputa interior,
ou apenas,
a carência,
de questionar o momento,
e o acaso.

penso e sorrio perante as dúvidas que,
me assaltam em noites de insónias,
violentas e febris onde o possível,
será sempre impossível, e vice-versa.

©Piedade Araújo Sol 2017-09-04

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Reflexão


Olga Astratova
Os meus olhos seguem iguais, mas o ver é diferente,
conseguem ver o que nem sempre viram,
no tempo____outro tempo parado,
no decorrer do momento.

Até meus pés calcorreiam as mesmas ruas,
e nem sempre se sentem seguros,
apenas vão, porque parar é morrer,
e precisam seguir em frente.

As minhas mãos carregam ,
um amarfanhado de quimeras,
tombadas na pequenez dos abrigos,
perpetuados em mim.

Mas é de bonança que precisamos,
e de palavras não silenciadas,
é aquele abraço que falta dar,
e a ternura a inundar os corações.

©Piedade Araújo Sol 2017-08-29

terça-feira, 22 de agosto de 2017

O sonho de um poeta



  •                                                                                            shawrus

O poeta tinha um sonho da dimensão de um grão de areia,
mas, nas tardes ao poente
crescia e adquiria contornos tão vastos,
que ele não o conseguia travar,
metamorfoseava-se e voava,
com asas de gaivota,
e com sabores e aromas de mar.

Quando a noite caia ele ganhava asas ainda maiores,
e conseguia um horizonte ainda mais abrangente,
e longínquo,

muitas vezes o poeta nem sabia sequer quem era,
perdia a noção do tempo e do espaço,
e ao poente,
quando os pescadores se sentavam ao seu redor,
ele falava de países e estórias que os deixavam totalmente enfeitiçados.

Depois,  quando todos se recolhiam ,
o poeta regressava ao seu mundo,
e esse personagem morria nesse momento,
pois no outro dia e em outro sonho,
ele renascia.

Sabia, que lhe chamavam louco, mas ele era tão são,
como a loucura que o invadia,
no deslumbramento dos dias,
em que olhava o poente .

©Piedade Araújo Sol 2017-08-21

terça-feira, 15 de agosto de 2017

se

Maja Topcagic

se te magoa o lamento do vento
canta na efervescência do dia
quando tudo se move e há ruído
para que ninguém oiça a tua voz desafinada.

antes que os sentimentos colapsam
escreve, mesmo que ninguém leia
mas são as tuas palavras semeadas
despejadas em açudes desbraváveis.

e sobre o mar lança o olhar
porque esse nunca te irá defraudar .

©Piedade Araújo Sol 2017-08-15

terça-feira, 8 de agosto de 2017

da ingratidao


que ficou…edificada nos  silêncios
carregados de ruínas
em gestos parados
imóveis em novelos de poeiras.

agora, existem  apenas vazios
preenchidos com nadas
sufocados na garganta
num grito inaudível.

©Piedade Araújo Sol 2017-08-08

terça-feira, 1 de agosto de 2017

das sombras


das sombras
que em mim habitam, deixo-as  espalhadas
muitas vezes em  parte incerta,
pelo chão que caminho,

sei que o sol abraça as pedras,
e as areias,
mesmo em temporais,
mesmo em tempo de  bonanças,

e os meus olhos são os mesmos,
só os tempos é que não, 
e a claridade do dia fere os meus olhos …

©Piedade Araújo Sol 2017-07-31

terça-feira, 25 de julho de 2017

da solidão

do dia que detém o sussurro do vento,
que me abraça _______
como se fosse um garrote imprevisível,
que me sufoca até a medula e os ossos,
a solidão _____ inteira.

ainda dia________ quase ocaso
_________quase noite
_________quase bruma.

e na praça os plátanos ondulam,
uma dança esquizofrénica,
ou um ritual de bailado descontrolado
e fora de sintonia,
ainda que, lembrando _______um lamento.

nem me importo,
meus fios de  cabelo em desalinho
desfeitos________ pela  voz do vento
que solidário desfez também
alguns vestígios de linfa_____soltos no rosto
ou cristais de sal______ talvez,
apenas isso________ou apenas solidão.

©Piedade Araújo Sol 2017-07-24