quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Em Janeiro



Em Janeiro
com o frio a infiltrar-se nos ossos
Lisboa não cabia nos teus olhos
quando te perdias pelas ruelas desconhecidas
e a ansiedade te invadia
o rosto incendiado de ternura.

Quando olhavas para as montras
e ajeitavas os cabelos de chuva
descaídos pelas costas
não sei que imaginavas
quando com o meu casaco
te cobria o corpo franzino a tiritar.

Os teus sonhos talvez fossem
os barcos que navegavam no Tejo
e as tuas mãos que entrelaçavas nas minhas
nas noites em que cintilavam estrelas que eu nem via
e tu sorrias calada.

Eu não sabia -ainda - que em ti existiam
sabores de sentimentos ocultos
e um sorriso de sal e algas tão grande
que sobrevive no tempo e nos teus olhos,
e que no teu ser os afectos estão entranhados nos ossos.

São eternos como os barcos do Tejo.

© Piedade Araújo Sol 2012-01-23

Foto: Peter Smith

(Reeditado primeira publicação em 2012-01-24)

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Selo Literário

TSelo Literário 2013 - Leia sempre 
foi criado pela blogueira 
Érica Rosi

Este selo, que desde já agradeço, à nomeação do meu blogue foi-me oferecido pela amiga Ana  
Obrigada mas não seguirei as regras que o mesmo obriga.

terça-feira, 1 de janeiro de 2013

Véu de pranto e saudade


À memória de meu pai
É Janeiro!


Neste dia, hoje e sempre, é como se me morresses outra vez. E outra. E mais outra.

É como se os barcos estivessem no mar, apenas porque tu não passas no cais e eles estão esperando por ti.

Gostava de acordar novamente com o eco da tua gargalhada a ressoar na casa grande e a perder-se na planície, mas sei que é impossível.

Nunca mais ouvirei a ternura da tua voz, é um facto consumado.

As memórias estão mais esbatidas, é certo, mas o silêncio e as saudades de ti, doem bem no fundo de mim.

Mas tu dizias que não me querias triste e, sabes, eu não estou triste, é apenas saudade, porque depois de tantos anos ainda me faz falta o teu abraço.

© Piedade Araújo Sol 2013-01-01
foto : moosiatko